Pode parecer bem estranho, mas o começo de tudo foi através do desconforto.

Por Redação Entrecultura - 22/08/2017 10h59

Pode parecer bem estranho, mas o começo de tudo foi através do desconforto.

 

Enfim, 40 anos.  De certo nunca percebi a minha idade passar.  Quem me mostrou o passar do tempo foi o povo que botei no mundo, dois filhos.  Me dei conta de erros e acertos através do espelho que eles me deram por distração (rsrsrs).

Digo dessa maneira, porque filho nem percebe que interfere tanto na vida dos pais, e eu como mãe, sempre morri de medo de interferir demais na vida deles.  Vai entender!

Achei que com 4.0 estaria em outra, numa boa e sem problema nenhum. Não foi bem assim!
O lance é bem simples, se incomoda a gente e se é considerado defeito do outro, na verdade a falha está em nós mesmo.  Pode acreditar que é bem por aí.
Todos os meus defeitos, tudo que um dia julguei e repreendi nos meus pais, encontrei nos meus filhos. Opa! Melhor dizendo, encontrei em mim!
Quando percebi que funcionava assim,na mesma hora veio a raiva.  Bastava constatar qualquer coisinha de nada que me incomodava nos meus filhos e a raiva tomava conta de mim.  Sem perceber, entrei num processo onde a raiva me pegou de jeito e a única saída,  foi me vitimizar.
Ahhh, moço, reclamava de tudo.  Tudo era ruim,  nada dava certo pra mim e achava que o mundo me odiava.

Fui buscar ajuda na terapia convencional,  na igreja,  centro espírita,  umbanda , nas amigas, no álcool,  mas não melhorava.
Até então, sofria por tudo e reclamava sem parar.
Pra me defender e justificar meu sofrimento, adquiri a mania de racionalizar qualquer coisinha, o que era uma terrível pra mim porque só aumentava minha angustia.
Do que adiantava ficar pensando num monte de problemas? Nada!

Depois de um tempo e olha que foi muito tempo, quase 38 anos de vida neste plano,para  consegui “parar” e decidi ir procurar a resposta em mim mesma.  Parei de procurar cabelo em ovo e fui buscar minha essência.

Parei de buscar respostas fora e achei um bocado de coisa aqui, bem dentro de mim.  Não foi uma tarefa fácil porque não acreditei muito em mim, não tinha nem certeza se o que estava sentindo fazia sentido.  Se estive “sempre correta” em agir daquela maneira, sendo vítima de mim mesma,  por qual motivo deveria apostar em outra alternativa?
O que realamente estava ganhando em ser vítima? Quias as recompensas?
Com o tempo descobri que eram muiiiiitas as recompensas, mas aí é outra história e que depois conto.

Então, como não sabia mais o que fazer, fui procurar por Deus. Uns chamam assim e outros, não.  Pra mim, essa energia de amor que rege o universo e pra quem posso recorrer  em todas as ocasiões, atende pelo nome de Deus mesmo. Busquei e como sempre, achei.  Fui atendida e orientada.  ELE me fez sentir várias coisas, inclusive que estava em mim e por mim. Depois que tive a certeza que Deus estava dentro de mim, algo começou a ser transformado.

Essa época foi extremamente dolorosa. Tive que zerar tudo e recomeçar.

Quais são mesmo os meus valores?  No que acredito?  Minhas escolhas me fazem feliz?  Nessa mesma época, por tanta angústia e medo, perdi muita coisa importante e o que poderia dar errado, deu.  Muitas provações e cansaço.
Daí, resolvi relaxar ( O que não foi fácil. Nem um pingo!) e só conseguia de vez em quando.

Não vou romantizar minha história.  Era raro me desconectar e sair de toda essa vitimização, quase não conseguia me manter por muitos minutos nesse estado de relaxamento.
Fui procurar mais informação de como proceder.
E sabe o que é mais incrível?  Quando a gente está buscando ajuda de verdade, prestando atenção nos auto boicotes, nas nossas máscaras, a AJUDA vem!
Assim aconteceu comigo, na hora certa, sem pressa e sem demora.
Muitas pessoas, a maioria nem conhecia, apareceram para ajudar, para trazer conhecimnto.
Orientações apontavam para que tivesse total atenção para a gratidão.  Daí comecei a agradecer por tudo, o dia inteiro.  Sempre! Por vezes, nem fazia tanto sentido, mas agradecia no automático mesmo.

A partir daí, consegui abrir um franco diálogo comigo mesma ( essa parte foi e ainda tem sido muito difícil.  Por vezes fico exausta de tentar me convencer de algo.  Acredite, você não vai “sentir” logo de primeira.  A conexão com o “sentir” tem que vir da alma e existem empecilhos que depois tento explicar melhor,  porque em mim,  foi em em vários níveis).

É isso, ter gratidão! Simples assim.
É um excelente começo para grandes descobertas e para o aprendizado.
Pensa bem. Se você tivesse acordado hoje tendo só o que lembrou de agradecer antes de dormir?
Hein?
Sou grata por estar aqui, pelo ser de luz que sou e pela possibilidade do autoconhecimento e pela maneira exclusiva que sinto e vivo minha vida.

 

 

 

Comentar