Peça teatral “Barca Nômade” chega ao DF após estreia em Madri

Por Redação Entrecultura - 15/03/2019 11h32

 Barca Nômade, montagem teatral resultante de uma compilação de textos sobre o amor, extraídos do livro O Jardineiro, do poeta, músico e filósofo hindu Rabindranaz Tagore (Nobel de Literatura 1913), chega ao Distrito Federal e inicia temporada por Planaltina, nos próximos dias 16 e 17 de março, às 20h. Das semanas seguintes, até o dia 4 de abril, serão contemplados o Gama, com duas sessões, e o Plano Piloto, com nove apresentações, O espetáculo recebeu longos aplausos do público de Madri, em sua estreia no Teatro Tribueñe, no dezembro último.

Cena de Barca Nômade (Foto: Georgia Ark)

Protagonizam Barca Nômade um homem e uma mulher que, atraídos por mútua devoção, defrontam­‐se com a santidade deste sentimento universal. Os personagens são interpretados pelos atores André Amaro e Fernanda Cabral que, ao elegerem a obra de Tagore para essa encenação, já tinham, em comum, experiências artísticas com a diretora russa Irina Kouberskaya, radicada em Madri, quando de suas vivências individuais pela capital espanhola.

O projeto cênico de Irina Koberskaya une a literatura, ao teatro, ao vídeo e à pesquisa musical, somando enigmáticas e plásticas paisagens visuais ao verbo transcendente do poeta. Constitui-se, portanto, em um projeto de busca de especial dicção cênica, com ênfase na plasticidade visual e em uma sonoplastia que se somam ao valor poético da obra de Tagore. Além de protagonistas, André Amaro e Fernanda Cabral assinam, respectivamente, a videocenografia e a trilha sonora original do espetáculo, magistralmente concebido e conduzido por Irina Kouberskaya.

O AUTOR – Tagore foi um bengali de extraordinária personalidade, inteligência e sapiência. Cultivou uma infinidade de habilidades artísticas, intelectuais e sociais. Foi um grande músico, um grande pintor e um educador excepcional, criador da primeira escola nova do Oriente, em 1901. Foi também um magnífico jornalista, reformador social, sociólogo e filósofo. Peregrinou por todo o mundo, tornando-se célebre, sobretudo, por sua prolífica literatura, merecedora do Prêmio Nobel de Literatura, outorgado pela Academia Sueca em 1913.

Tagore escreveu tanto que, até hoje, suas obras completas não estão publicadas em seu idioma materno, o Bangla, ou bengali. Cultivou todos os gêneros literários, sobressaindo-se em todos: poesia, romance, conto, dramaturgia, ópera-­drama, ensaio sobre incontáveis temas, aforismos, epigramas, canções… Sua excelência é mundialmente reconhecida e na Índia, quando seus patrícios mencionam a palavra “Kobi”, que significa poeta, pensam em Tagore como o maior e o mais sublime deles. É também conhecido como “Gurudev”, o mestre de mestres. E muitos unem os dois termos denominando­‐o “Kobiguru”. Seu amigo Mahatma Gandhi o chamava de “Sentinela da Índia”.

No livro O Jardineiro, depara-se com um Tagore lírico e apaixonado, repleto da sabedoria universal que só o amor pode revelar. Cecília Meireles, grande entusiasta de sua obra, chegou a afirmar: “A poesia tagoreana conduz a uma visão de santidade, de serenidade, na contemplação geral – visão que as gerações atuais mal podem compreender. No entanto, talvez, toda esta trepidação contemporânea seja momentânea e superficial. Não será impossível um renascimento de Tagore, quando esta onda turbulenta e caótica se acalmar, quando os jovens acreditarem na supremacia do Espírito sobre todas as coisas e a sabedoria do Oriente não for ignorada no Ocidente tão técnico”.

SINOPSE – Para conceber o espetáculo Barca Nômade, os atores André Amaro e Fernanda Cabral passearam pelas cenas amorosas que emergem de um dos livros mais conhecidos do poeta e filósofo indiano Rabindranaz Tagore, O Jardineiro, romance em 85 breves poemas. Com encenação e direção de Irina Kourberskaya (Espanha), o espetáculo é constituído por encadeamentos de pequenos quadros visuais, ressaltando a voz do sentimento amoroso como um elemento humano profundo, repleto de matizes, insinuações e erotismo cortês. Projeto realizado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF). Apoio: Instituto Cervantes. Estreia no Mini Teatro Lieta de Ló (Planaltina), dias 16 e 17/03, às 20h, com entrada franca.

Ficha técnica:

Direção: Irina Kouberskaya

Elenco: André Amaro e Fernanda Cabral

Dramaturgia: Maurício Witczak, André Amaro, Fernanda Cabral e Irina Kouberskaya

Trilha Sonora: Fernanda Cabral

Videocenografia: André Amaro

Figurino: Magna Oliveira e Irina Kouberskaya

Desenho de Luz: Eduardo Pérez de Carrera e Marcelo Augusto

Assessoria de Dança Clássica Indiana: Maria Vilarinho-Mirabai

Arte Gráfica e Webdesign: Fábrica de Criação

Fotos: Nytiama Macrini e Georgia Ark

Produção Executiva: Claudia Leal

Realização: Teatro Caleidoscópio e Studio Sereia

Divulgação: Angélica Torres, André Amaro, Território Cultural – Assessoria de Comunicação e FIVE Comunicação & Marketing

Serviço:

>>Teatro Lieta de Ló – Planaltina

Rua Hugo Lobo, Quadra 46, N: 790, Setor Tradicional

Dias: 16 e 17 de março

Horário: às 20h (sábado e domingo)

Entrada franca

>>Teatro Paulo Gracindo – Gama

Setor Leste Industrial, Lotes 620 a 680, QI 1

Dias: 23 e 24 de março

Horários: às 20h (sábado); e às 19h (domingo)

Entrada Franca

>>Espaço Cultural Renato Russo, Sala Multiuso – Plano Piloto

508 Sul

Dias: 29 e 30 de março e de 05 a 07 de abril

Horários: às 20h (sextas e sábados), e às 19h (domingo)

Sessão extra: dia 31 de março, às 17h (domingo)

20,00 (inteira)

>> Instituto Cervantes Brasília – Plano Piloto

707/907 Sul

Dias: 12 e 14 de abril, às 20h (sexta), e às 19h (domingo)

Entrada Franca

FALADO EM ESPANHOL

Duração: 60min.

Classificação indicativa: 12 anos.

Comentar