Natura Musical apresenta “Jaguatirica Print”, novo single de Luísa e os Alquimistas

Por Dálete Santos - 27/09/2019 12h10

Faixa leva o nome do álbum e tem participações de Sinta a Liga Crew, Jamila e Jessica Caitano; Banda revela também a capa do disco

Depois das envolventes Furtacor e Tous Les Jours, Luísa e os Alquimistas apresenta mais um single do novo disco. A potente Jaguatirica Print, que leva o nome do álbum, é uma mistura de brega funk, reggaeton e música eletrônica, orquestrado por seis mulheres poderosas: além de Luísa, Camila Rocha, Kalyne Lima e Preta Langy, o trio da Sinta A Liga Crew, e também Jessica Caitano e Jamila. A música é no estilo cypher e “fala de amor entre mulheres, resistência feminista, respeito pelos nossos corpos, empoderamento, tudo de maneira direta, lírica afiada e uma variedade de flows muito rica”, conta Luísa.

Jaguatirica Print nasceu de um beat denso, pesado, mas, ao mesmo tempo com uma pegada dançante difícil de ignorar enviado para Luísa por Pedras, integrante da banda e um dos produtores musicais do disco. “Esbocei os primeiros versos e já veio a vontade de chamar alguém pra somar comigo nessa track”, lembra a artista. Depois Jamila fez um comentário em uma foto de Luísa a chamando de ‘jaguatirica print’, uma vez que estava vestindo uma blusa com estampa animal print. Pronto, aí surgiu o nome do disco, mas que primeiro foi título dessa música para a qual Luísa teve o insight de convidar não só a Jamila, como também a Sinta A Liga Crew e Jéssica Caitano. “Não foi uma tarefa fácil colocar todas essas vozes em um beat já super elaborado, com drops e vários momentos diferentes, mas todo mundo foi se encaixando de maneira muito respeitosa, uma deixando espaço pra outra, uma inspirando a outra”. 

O single faz parte do próximo disco de Luísa e Os Alquimistas, que foi selecionado pelo Natura Musical por meio do edital 2019, com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura. “Natura Musical sempre acreditou na força da música para mobilizar as pessoas. Para refletir esse propósito e dar espaço à diferentes vozes, a plataforma apoia artistas e bandas capazes de amplificar debates contemporâneos. Além de entreter, eles também usam a arte como um meio de questionamento e transformação. É o caso de Luísa e os Alquimistas em seu novo trabalho”, diz Fernanda Paiva, gerente de Marketing Institucional da Natura. 

As participantes da faixa contam que adoraram contribuir com Luísa, como pontua Jessica Caitano: “Essa parceria com dona Maria é chic demais, desde lá de Vekanandra até a Jaguatirica Print, uma alegria receber convite de Luísa pra tá somando no trabalho lindo que ela vem presenteando a gente. Os Alquimistas são foda, tive a grande honra de participar dessa música com um monte de mulher maravilhosa aqui do Nordeste. Pensa numa potência!”. Já Jamila lembra do comentário que gerou o nome do single e do disco: “daí por diante, só chamei essa danada de ‘jaguatirica’ e ela, pelo visto, gostou. Junto com outras poderosas, fizemos um hit! Peguem suas oncinhas e vamos, porque já tô com a roupa de ir!”

Camila Rocha, do Sinta A Liga Crew, conta que o amor por Luísa foi a primeira vista: “Conheço Luísa como artista há uns quatro ou cinco anos e me encantei de verdade. Tratei logo de seguir ainda pelo Facebook, rede que nem uso mais, e chamei no inbox que, pra minha surpresa, me respondeu prontamente. Fazíamos parte de um grupo de escritoras do Rio Grande do Norte e mantive conversas com ela durante esse tempo pra cá, até que nos encontramos e ficamos amiga. Então, não preciso demorar em dizer que realizei meu sonho. Jaguatirica Print me representa. Sou grata!”

 

Capa

A capa do álbum, incorpora de modo crítico referências de antigas coletâneas de música. “Quando surgiu o nome ‘Jaguatirica Print’, a foto de uma bunda com um short de animal print veio na na minha cabeça na mesma hora. Comecei a pesquisar várias referências e vi capas de coletâneas de música caribeña, disco e boogie, que faziam o uso desse recorte do corpo feminino, mas de uma maneira sexista, machista e objetificadora”, aponta Luísa. A partir daí, a artista também se deixou influenciar por inspirações femininas, como o disco Índia, de Gal Costa, e decidiu fotografar sua própria bunda: “Por que não? Pensei… Nós mulheres nos privamos de muitas coisas por medo do que os outros vão pensar ou dizer, por medo de sermos assediadas, estupradas, violadas. O short que uso na capa do álbum é lindo, mas eu não ousaria usá-lo nas ruas de São Paulo sozinha, entende? É muito triste essa constatação. Concebi essa capa na vontade de subverter essa lógica opressora em que nós mulheres vivemos. Através do meu trabalho artístico senti que era possível atravessar essa fronteira em relação ao meu próprio corpo”.

 

FICHA TÉCNICA CAPA

Fotografia: Rudá Melo 

Direção de Arte: Mole Enterprise e Thiago Trapo

Identidade Visual e Material Gráfico: Thiago Trapo

Styling: Mole Enterprise

Confecção de Figurino: Ruth Wunsch

 

Comentar