‘’ A dança não é meu refugio, é minha libertação’’- Luis Carlos Vale

Por Eduarda Araújo - 21/05/2020 08h22

Luís Carlos Vale é bailarino, coreógrafo, produtor, professor, e sobretudo apaixonado pelo movimento. Seu primeiro contato com a dança veio ainda na infância dentro de casa, onde para ele dança remete à alegria e diversão “Os meus pais sempre gostaram muito de dançar e se divertir, sempre me recordo de estar ali dançando junto e isso foi se construindo dentro de mim como uma necessidade de se aprofundar”. A partir daí começou, Luiz dançou em um grupo pequeno da rua de casa e segundo ele a  dança não lhe deu a oportunidade de querer outras coisas. Logo começou a dançar em diversos projetos, nas maiores companhias de Teresina,  dar aulas e desenvolver diversos trabalhos.

Depois dos anos 2000 a situação da dança em sua vida começou a se profissionalizar, com parcerias já formadas em 2005 começou a escrever projetos, a colocar a metodologia da dança no papel, e a partir daí começaram a receber recursos de modo a  profissionalizar o trabalho desenvolvido com dança até então. Em 2010 criaram a ponto de equilíbrio e solidificando o trabalho de modo profissional, centralizando todas as produções de projetos dentro dessa organização.

“A dança me consumiu, ela me pegou e eu me deixei ir, então era isso que eu queria! Eu fui  e eu sabia que era isso” Luis Vale

 

A Dança como Libertação

“Eu sou de uma geração que não tinha esse acesso à internet não tinha nada disso e agora graças a Deus tem essas formas de se comunicar que facilitam esse momento” Luis Vale

Esse lugar de isolamento ele te conecta com um novo mundo, com as tecnologias, com as redes sociais. A internet se tornou um canal também de criação da arte. Para o dançarino, quem possui o impulso criativo não é impedido de criar por conta do isolamento, a produção de um projeto é uma parte importante do princípio da criação “Eu coloco no papel o que eu vou criar, estou fazendo produções de texto hoje para projetos direcionados aos editais federais, estaduais e municipais”

Dentro desse espaço de isolamento Luís Vale tem feito atividades de treino em torno dos movimentos de circo,de ioga que são técnicas que podem ser desenvolvidas para criação em dança e em arte. “No início do isolamento eu fiquei parada mas isso é uma coisa muito forte se a gente passar necessidade física de me movimentar de dançar de me expressar” relatou Luís ao Entrecultura. 

A dança para muito pode ser vista como um refúgio, uma fuga mas não para Luis Vale. Segundo ele a dança é uma unidade de libertação ‘’A dança ela quebrar essas barreiras, ela te preenche, transborda ela te dar um lugar de empoderamento na posição de artista”.  O dançarino descreve o poder das artes e reforça “ Pode parecer clichê, mas quando você assisti a um filme, quando lê um bom livro, quando escuta uma boa música você consegui se conectar consigo mesmo. A gente se desconecta desses problemas, da realidade, então quando a gente tá no estado de angústia de desespero com a situação atual temos a arte como Refúgio pois é nela que a gente se acalma”.

Comentários

MARLENE MARIA

Amo seu trabalho,tudo feito com amor e carinho..

21 maio, 2020 Responder

Comentar