Cineas Santos coordenará a discussão do Plateia Cultural desta quinta (10)

Por Redação Entrecultura - 09/09/2020 19h20

Por: Raimundo Cardoso

O evento é um projeto desenvolvido pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC), e será transmitido através das mídias digitais e do canal do Youtube da TV Garrincha.

O monumento de Carlos Martins feito em homenagem ao poema “El Matador” do escritor piauiense H. Dobal, que denunciava a matança e dizimação aos negros e aos povos indígenas pelo então João do Rêgo Castello Branco, marcarão a discussão na “Formação de Plateia Cultural” nesta quinta-feira (10), a partir das 11h. O evento é um projeto desenvolvido pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC), e será transmitido através das mídias digitais e do canal do Youtube da TV Garrincha.

O programa será coordenado pelo professor Cineas Santos. Com a participação do patrimonialista Jasmine Malta, do artista visual Pedro Vidal e do professor da Universidade Fedral do Piauí, Paulo Vasconcellos.

“O professor Cineas Santos dirigiu um coletivo de cultura, chamado ‘A Cara Alegre do Piauí’, que doou esse monumento à cidade. O monumento é composto por três partes, em ferro, pedra e madeira. É uma obra feita pelos artistas plásticos Carlos Martins, Gabriel Archanjo e Amaral”, explica.

Segundo a organizadora, Poliana Sepúlveda afirma que a discussão de amanhã é em torno de uma polêmica que envolve o monumento, em que se deve ao fato de pequenos movimentos formado a partir de um partido político ter ameaçado na derrubada da obra. E lamentou que a obra, não teve a atenção devida por parte das autoridades políticas do estado, e atualmente só a parte do “Carlão” subsiste.

Antes, realizado com a presença do público no auditório do CEC, mas devido ao isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus, o projeto que apresenta várias vertentes passou a acontecer de forma remota. O programa acontece todas as quintas-feiras, pelo menos duas vezes ao mês abordando diferentes temáticas, e com a presença de vários convidados.

A convidada especial para fazer parte da conversa, é a professora Jasmile Malta. Ela afirma que “Em uma cidade sem memória como a nossa” é sempre oportuno discutir sobre o Patrimônio Material, Natural e Imaterial.

“Que seja um rico debate entre os participantes, e que contribua para esclarecer à audiência a relevância da políticas culturais voltadas para a preservação patrimonial, pois somente podemos cuidar daquilo que conhecemos”, afirma.

 

Comentar