Da literatura para a rua: Carlos César produz maior painel em lambe-lambe de Teresina inspirado nas suas obras ficcionais.

Por Redação Entrecultura - 19/11/2021 14h01

 

O painel artístico intitulado 2037 foi executado no dia 15 de novembro utilizando a técnica do lambe-lambe. O lambe-lambe é uma vertente da arte de rua que utiliza a colagem de cartazes como intervenção urbana, com o intuito de transmitir ideias e pensamentos, divulgar as artes ou até mesmo protestos elaborados através de imagens e textos. A obra faz parte das intervenções do Circuito Urbano de Intervenções Artísticas – CUIA que teve sua abertura na quarta-feira (10/11) com a instalação artística “A Teia” em frente ao Theatro 4 de Setembro. A obra ficará disponível para visitação até 10 de dezembro.

A programação do CUIA se estenderá até janeiro de 2022 e, em sua primeira edição, utiliza o centro da cidade como campo de experimentação artística. Utilizando diversas linguagens artísticas, o evento tem a finalidade de transformar e ressignificar o Centro de Teresina através de inovações estéticas, fazendo com que a população possa ter seu olhar ampliado sobre as possibilidades de uso do espaço urbano. Assim, a interação com espaços que já fazem parte do nosso cotidiano ganhará novos significados e/ou terão seus significados potencializados.

 

Carlos César e o maior lambe-lambe de Teresina.

 

No momento, também está acontecendo a execução de um conjunto de painéis que a artista Lu Rebordosa está realizando no Mercado Velho, tendo previsão para conclusão na próxima semana. Além de instalações e murais artísticos, a programação do CUIA inclui mesas-redondas, exibição de documentário inédito e lançamento de livro digital.

 

2037

A obra lança mão do uso da metalinguagem para transpor as barreiras entre a ficção e a arte urbana. O painel é uma espécie de ebulição artística do encontro entre a HQ “Os Androides de Areia” e o romance “A sociedade do Através”. Ambas discorrem sobre o presente e futuro de Teresina, na qual há a intrínseca relação entre pessoas, ambiente e de como esse entrelaçamento gera um caos propício das grandes capitais, principalmente de uma com tantas particularidades que ainda ficam tímidas no cenário nacional. Uma verdadeira carta desenhada sobre as cores mais atrevidas da cidade menina, Teresina.

O CUIA

Surgindo com uma ideia de mesclagem de diversas linguagens artísticas a fim de transformar e ressignificar os espaços, trazendo transformações estéticas, sem deixar de lado a nossa identidade, surge o Circuito Urbano de Intervenções Artísticas – CUIA, que traz este mesmo conceito no significado do próprio nome. No artesanato, a cuia é um recipiente geralmente ovóide feito de um fruto que é secado e desprovido da polpa e utilizado para esvaziar canoas, transportar ou misturar líquidos, alimentos e muitas outras finalidades. Para além de um evento artístico de finalidade potencializadora do Centro de Teresina e de programação diversificada, o CUIA é um evento que mistura cores, pessoas, artistas, ideias e conceitos em espaços que fazem parte do nosso cotidiano e que tocam direta ou indiretamente a população que frequentam o coração histórico da cidade, fazendo com que o Centro seja visualizado por outras perspectivas e também pelas mais diversas possibilidades de usos. A identidade visual do CUIA é composta pelos elementos das obras do artista Carlos César. Formado em Moda pela Universidade Federal do Piauí, Carlos tem seus trabalhos abrangendo vários suportes, como o bordado e passando também pelas artes digitais. Nas suas obras, traz personagens e locais populares do imaginário teresinense, como no caso de “A sociedade do Através” (2019) e “Os Androides de Areia” (2021), que carregam uma linguagem de HQ futurista ambientada em nossa capital. Segundo o artista, as suas obras retratam nossa cultura, nossa história, adaptando personagens das nossas lendas para a nossa realidade, transformando conceitos abstratos de uma cidade em personalidades.

Este evento somente foi possível graças aos patrocinadores, aos apoiadores e aos realizadores, que somaram esforços para a realização deste projeto.

Patrocínio: Paraíba (@armazemparaiba); SECULT (@cultura.piaui) através do Sistema de Incentivo Estadual à Cultura – SIEC.

Apoio: Rambeer (@rambeercervejaria); Sherwin-Williams (@sherwinwilliansthe); MM Locações (@mmlocacoes); Arte Urbana Teresina (@arteurbanateresina); Rua 2 (@rua2produtora); SAAD Centro – Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas ( @saad_centro ).

Realização: Associação Amigos da Arte e da Cultura do Piauí (@assaacpiaui); Saracura Produtora (@saracuraprodutora).

Comentar