A dramaturgia de Isis Baião

Por Redação Entrecultura - 13/03/2017 10h19

A dramaturga Isis Baião começou a carreira em um caminho diferente do teatro. Formada em jornalismo pela PUC/RJ em 1970, Isis sempre teve o teatro inserido na sua vida. “o teatro sempre esteve na minha vida, nas minhas amizades, nos meus sonhos de vir a ser”, declara.

 

Por volta de 1975, fez suas primeiras tentativas de texto dramático, adaptando para teatro o “Cândido”, de Voltaire, e “Ninguém escreve ao coronel”, do colombiano Gabriel Garcia Marquez. Mas foi só em 1978 que Isis teve a sua estréia como dramaturga, quando passou a escrever textos originais. A peça chamava-se “Instituto Naque de Quedas e Rolamentos”, uma sátira à burocracia e ao país, que vivia uma ditadura militar.

 

FOTO: REVESTRÉS

 

“Na época, nenhuma peça ia para o palco sem passar pelo crivo da Censura e, até hoje, não entendo como aquela senhora (a Censora) que compareceu ao teatro, munida da autoridade de ferrar o “Instituto Naque…”, liberou sua montagem. Certamente não entendeu a mensagem, viu aquilo como uma grande brincadeira de um b ando de jovens desconhecidos. A peça foi considerada pela associação dos críticos cariocas, uma das melhores daquela temporada. E o público a amava”, conta Isis.

 

FOTO: REVESTRÉS

 

Dedicada a dramaturgia, Isis é também escritora e laçou em abril de 2016 o segundo volume do livro “Teatro (in)Completo de Isis Baião”, constituído de esquetes e peças curtas. As temáticas são, portanto, variadas. O livro foi lançado na Escola de Teatro Gomes Campos. “É o meu primeiro livro editado em Teresina, onde estou morando, após ter me radicado durante 48 anos no Rio de Janeiro”, conta Isis.

 

Além da carreira como dramaturga Isis Baião vem sendo presença em oficinas de teatro, na busca por passar o que aprendeu à pessoas que querem aprender a técnica e a arte da escrita teatral. As “Oficinas do Texto Teatral” datam de 1983. No momento, elas têm lugar no Theatro 4 de Setembro, em Teresina. “Ministro-as em quatro módulos, cada um deles com a duração de dois meses, ocupando todo o ano letivo. Nesta terça-feira, 07, comecei o primeiro módulo, a Oficina de Esquetes de Humor”, diz. As oficinas são patrocinadas pela Secretaria Estadual de Cultura e oferecidas aos alunos da Escola de Teatro, com vagas também para a comunidade em geral.

 

 

Comentar