MOV FESTIVAL DIGITAL promove 4º edição com projeções no Humaitá a partir desta segunda-feira (27)

Por Redação Entrecultura - 27/07/2020 08h36

O festival conta com a participação de Castello Branco, Joca, 40% Foda/Maneiríssimo e  Kunumí MC

O rapper Kunumí MC é um dos destaques
desta quarta edição do festival

 

Impossibilitado de realizar a 4ª edição física do MOV FESTIVAL devido ao isolamento social, o produtor cultural e idealizador do festival carioca, Daniel Martins, convidou a artista Luv para fazer projeções de seu trabalho na empena (parte lateral) de um prédio na Rua Maria Eugênia, no Humaitá, a partir da janela de seu apartamento. Depois da aceitação dos vizinhos, e de se unirem à estudante de cinema, Luiza Dacol, e aos criativos Aruan Brizueña e Tiago Guimarães, continuaram a iniciativa e criaram a versão online do MOV FESTIVAL. Nesta segunda, 27, a partir das 19h, eles realizam a quarta edição do festival que tem duração de aproximadamente 2h30 e é dividido em quatro sessões: shows, cinema, galerias projetadas e videoarte. Além da parede do prédio no Humaitá, as exibições também são transmitidas no perfil do festival no Instagram @mov.festival e no Youtube.

 

E esta próxima edição contará com a presença de artistas de destaque no cenário musical brasileiro como Castello Branco, Joca e 40% Foda/Maneiríssimo. Além de Kunumi MC, rapper de origem guarani, da Aldeia Krukutu, que fica no sul da capital paulista. O artista, que já tem um EP e um disco lançados – My Blood is Red (2017) e  Todo Dia É Dia de Índio (2018) -, além do mais recente clipe, Xondaro Ka’aguy Reguá, traz para o festival versos sobre a luta, o cotidiano e a resistência dos povos indígenas.

 

As sessões de videoarte terão a participação nomes como VJ Spetto e Bianca Turner. E, ainda, vai rolar uma subseção de Processos Artísticos com Edu de Barros, mais conhecido como profeta no mundo dos afrescos.

 

Na Galeria Projetada, Leandro Assis, ilustrador que pauta questões sociais e raciais em quadrinhos estará presente pela segunda vez e tem também artistas como Mag Magrela, Willian Santos, Mariana Palma, Rivers, Mano Penalva, Juliana Lattuca e diversos outros nomes. O festival terá também, pela primeira vez, uma sessão criada apenas com temas relacionados a conscientização ambiental.

 

MOV FESTIVAL

 

O MOV FESTIVAL DIGITAL é uma versão projetada e online do projeto criado em 2010, no antigo Cine Glória – cinema tradicional da zona sul do Rio de Janeiro. O projeto ainda passou pelo Solar de Botafogo (2013) e pela Lona Cultural Herbert Vianna, no Complexo da Maré (2014), tendo sido palco para dezenas de bandas da cena alternativa brasileira, além de artistas visuais e cineastas.

 

Daniel Barros, um dos produtores da edição na Maré, recorda que antes de integrar a equipe do projeto, já acompanhava tudo de perto. “O MOV me marcou muito. Eu lembro que, em 2013, a banda Ventre estava surgindo, tinham lançado um teaser do clipe de Carnaval, que era só a introdução da música e o lançamento do clipe foi no MOV, que aconteceu no Solar de Botafogo. E esse também foi o primeiro show da banda, que agora já até acabou, mas continua sendo uma das minhas favoritas”, conta o produtor.

 

A primeira edição da fase digital do projeto aconteceu no dia 11 de maio e contou com projeções de artes visuais, sessão de cinema com temática ambiental e apresentações musicais.  Martins explica que “a ideia da projeção na empena do prédio surgiu como uma possibilidade a mais de interação com nossos vizinhos e moradores do entorno, que podem acompanhar tanto nas redes sociais quanto de suas janelas”. Ele conta, ainda, que “um dos objetivos do projeto é levar arte para amenizar o peso do confinamento”.

 

Ao todo, 13 pessoas estão envolvidas diretamente para a realização do projeto. A curadoria de artes visuais busca diversidade e pluralidade, e as projeções de videoarte e a galeria projetada são os pilares desta edição. A curadoria fica por conta de Luv, Daniel Martins, Flávia Marques e a VJ Carol Santana, já a sessão de cinema tem curadoria do tradicional festival Filmambiente. A produção para a transmissão da live é feita pela Solo Audiovisual e contam com o apoio da On Projeções. E por fim, tem a equipe das redes sociais formada por Luv, Daniel Martins, Flavia Marques, Luiza Dacol, Gabriela Suhett e Letícia Lamarca.

 

O projeto é independente, ainda sem patrocínio, mas dá suporte à causas sociais dos morros Santa Marta, Santo Amaro, Complexo do Alemão, Complexo da Maré e o Coletivo FilmaRio.

Comentar