Afonso Poyart lança filme sobre a história de superação de um atleta paralímpico

Por Redação Entrecultura - 02/09/2020 17h11

Protesys: O filme mistura narrativa de documentário com ficção, mostrando a história de superação de Flávio Reitz, medalhista que foi diagnosticado com um tumor no fêmur da perna esquerda.

O diretor Afonso Poyart (“Mais Forte que o Mundo: a História de José Aldo”, “Solace – Presságios de um crime”) com Anthony Hopkins e da minissérie “Ilha de Ferro” do GloboPlay) estreia o seu novo e inédito filme, o curta-metragem “Protesys”, estrelado por Cauã Reymond e pelo atleta paralímpico Flávio Reitz, direto no on-line.

“O curta se passa num recorte de temporal anterior a história do futuro longa-metragem, no qual essas super próteses ainda estão em fase de testes. Imaginamos um encontro entre a vida real e a ficção, em que um esportista brasileiro, o campeão Flávio Reitz, é convidado para fazer parte deste time que está testando essa nova tecnologia”, conta o diretor Afonso Poyart.

O filme mistura narrativa de documentário com ficção, mostrando a história de superação de Flávio Reitz, medalhista paralímpico que foi diagnosticado com um tumor no fêmur da perna esquerda quando adolescente e teve que amputá-la. A reviravolta acontece quando Flavio é convidado por uma start-up americana, a fictícia SOLIDLIMBS, para testar uma revolucionária tecnologia de próteses biônicas. A combinação entre humano e máquina acontecerá de forma surpreendente, com resultados acima de todas as expectativas. O experimento termina com uma pergunta, ainda sem resposta – Quais serão os limites para estes novos super atletas?

Sobre as próteses o atleta Flávio Reitz afirma que “espero que continuem evoluindo cada vez mais e que propiciem a melhoria na qualidade de vida dos amputados. Acho que o filme vai trazer outras argumentações e pontos de vista ao debate, principalmente no que tange ao que esperar do futuro. Mas acredito que o principal é fazer pensar fora da caixa.”

O curta integra um projeto de um longa-metragem que Afonso está desenvolvendo no mesmo universo. O filme será ambientando num futuro próximo, onde os atletas paralímpicos usarão próteses de alta performance, e passam a superar antigas marcas e quebrar todos os recordes, tornando-se ídolos instantâneos. O mundo dos esportes virar de ponta-cabeça – a Paralimpíada se torna o evento esportivo mais importante do planeta, e os atletas sem próteses que outrora foram celebrados, passam a existir às sombras.

“Quando Afonso me falou sobre o projeto, achei genial e topei na hora. Para mim foi uma grande novidade, nunca tinha feito nada neste formato. Tenho uma sinergia muito forte com ele. Mergulhei totalmente neste universo para poder estar livre para criar junto com ele no set”, afirma o ator Cauã Reymond.

Ficha Técnica: 

Direção: Afonso Poyart

Ideia Original: Cris Cera e André Vidigal

Roteiro: Afonso Poyart e Cris Cera

Direção de Fotografia: Carlos Zalasik

Supervisão de VFX: Rodrigo Elias

Produção Executiva: Angela Farinello, Emerson Rodrigues e Veronica Stumpf

Direção de Arte: Mariana Falvo

Figurinista: Fernanda Marques

Elenco: Melina Anthis

Preparação de Elenco: Neco Vila Lobos

Edição: Afonso Poyart

Música: Ian Locke

Produzido por: Afonso Poyart, Sandi Adamiu, Marcio Fraccaroli, Cauã Reymond

Produção: Black Filmes e Picma Post

Com: Flávio Reitz, Cauã Reymond, Alli Willow e Geoffrey Russell

Sobre Afonso Poyart: 

Afonso começou sua carreira como animador e motion designer e consolidou dirigindo inúmeros comerciais para proeminentes agências e clientes nacionais e internacionais. Sua estreia na direção de longa metragem veio com “Dois Coelhos”, que ele escreveu, coeditou e produziu. Afonso Poyart ganhou rápida projeção no cinema após sucesso de “Dois Coelhos” e foi chamado para dirigir o thriller paranormal “SOLACE”, uma produção Hollywoodiana estrelada por Anthony Hopkins e Colin Farrel. Em seguida voltou ao Brasil para comandar “Mais Forte que o Mundo”, a cinebiografia do lutador de MMA José Aldo, uma das maiores bilheterias nacionais de 2016, o filme foi lançado internacionalmente pela Netflix e foi adaptado em formato de minissérie e exibida com grande sucesso em horário nobre na TV Globo, sendo indicada ao Emmy Internacional daquele ano. Também para TV Globo, Poyart acaba de concluir duas temporadas do seriado “Ilha de Ferro”, uma super-produção estrelada por Cauã Reymond, Maria Casadeval e grande elenco, que mistura drama e ação no universo de extração petróleo off-shore. Ainda como produtor, ele está a frente do ainda inédito “Galeria Futuro”, longa-metragem de comédia, realizado em coprodução com Universal Internacional e Globo Filmes.

Sobre Flávio Reitz:  

“Nasci em Francisco Beltrão em 1986 e vivi uma vida super normal de criança/adolescente até os 15/16 anos. Em 2002 descobri um câncer ósseo no fêmur da perna esquerda. A quimioterapia não eliminou o tumor, restando-me a amputação. Terminei o ensino médio e em 2004 fui para a faculdade (licenciatura em Geografia). Trabalhei na Sadia e na prefeitura de Francisco Beltrão. Em 2008, conheci o esporte paralímpico através da modalidade do Handebol em Cadeira de Rodas, que me levou a mudar de residência para Itajaí em 2009. Pratiquei diversas modalidades, mas me destaquei na prova de salto em altura do atletismo (classe T42).”

Principais conquistas: 

– 5º nos Jogos Paralímpicos Londres 2012;

– 7º no Mundial em Doha/Qatar;

– 2º no Parapan de Toronto/Canadá;

– 9º no Rio 2016;

“Em 2019 estabeleci o novo Recorde Brasileiro: 1,80m! E terminei em 2º lugar no ranking mundial da minha classe T42”, acrescenta.

Comentar