A Hora do Ângelus em sua IV Edição declama “Uma ode a vida”, em esperança por melhores dias

Por REDAÇÃO - 11/06/2021 15h31

O projeto teatral de leituras públicas A Hora do Ângelus toma durante um mês as janelas do Theatro 4 de Setembro. As leituras, que começaram nesta semana, irão até o final de junho, de segunda à sexta sempre às 18 horas. Esta é a 4ª de edição do Projeto que escolheu como tema “Uma ode a vida”.

A atriz e coordenadora geral Silmara Silva, conversou com o Entrecultura sobre a trajetória e o atual significado do projeto.

 Esta é a quarta edição do A Hora do Ângelus, que também comemora os 10 anos de existência do Coletivo Piauhy Estúdio das Artes. Como você descreveria essa trajetória?

Silmara. A trajetória do Coletivo Piauhy Estúdio das Artes, durante esses 10 anos, sempre foi de acreditar que com muita luta, disciplina e pesquisas aplicadas na busca de uma estética que desse respostas concretas aos inúmeros problemas do Teatro Brasileiro de Expressão Piauiense. Contudo, muitas coisas mudaram, hoje nosso trabalho tornou-se referência no norte e nordeste do Brasil, portanto, outras questões além do teatro produzido no Piauí, precisaram ser levadas em consideração quando vamos criar e realizar nossos projetos, no início da nossa caminhada as preocupações eram outras, bem mais restritas a nossa realidade mais próxima.

O motivo que deu início a I Edição ainda é o que motiva o projeto artístico nesta IV Edição?

Essa pergunta é muito oportuna, a intenção do Projeto “A Hora do Ângelus” sempre foi e, será sempre, dizer para cidade que aquela casa de espetáculos, situada na Praça Pedro II em Teresina, pertence aos cidadãos e cidadãs dessa cidade, indistintamente condição sócio-cultural ou econômica.

As janelas do Theatro 4 de Setembro, durante o mês em que acontece o evento, são para nós, como a boca do teatro falando para a sociedade: “- Venham, por favor, preciso que vocês atravessem minhas portas, gostaria de conversar com cada pessoa dessa lugar. Sou de vocês. ”

Ademais, as mensagens lidas e transmitidas através de vídeos para milhares de pessoas nas redes sociais, são de otimismo, reflexão política-social e elevado teor literário, contudo, são de fácil compreensão para quem as escuta com atenção.

Em entrevista ao Entrecultura em 25 de janeiro de 2018, sobre a segunda edição do projeto A Hora do Ângelus, Adriano Abreu (Diretor do Coletivo Piauhy das Artes) disse que “os nossos esforços sempre estão alinhados com aquilo que consideramos essencial para arte, cultura e sociedade piauiense em um determinado momento histórico” se referindo a escolha do tema pelo Coletivo. Como a escolha do tema deste ano dialoga com o atual momento vivido em Teresina?

Resolvemos cantar a vida em 2021. Acreditamos que esse momento triste para o Brasil e mundo vai passar. Assim sendo, “Uma Ode a Vida”, tema desse ano do Projeto A Hora do Ângelus, na nossa opinião, deve refletir a nossa esperança em dias melhores para nosso povo.

Neste ano, quando o relógio marcar 18 horas, o que será ofertado ao público pelo “A Hora do Ângelus”?

Quando o relógio cravar 18h as pessoas que assistirem as transmissões ao vivo, os vídeos das leituras públicas oficiais e, até mesmo os que estiverem presentes na Praça Pedro II, ouvirão e verão, mensagens de um profundo amor dos atuantes do Coletivo Piauhy Estúdio das Artes e seus convidados pela humanidade, traduzidos na caminhada luminosa de homens e mulheres na busca da felicidade.

Ao todo serão 18 leituras. Para acompanhar, basta acessar as redes sociais do Coletivo Piauhy das Artes, que transmite ao vivo às 18h ou ir até o Theatro 4 de Setembro, localizado na Praça Pedro II.

Evento: A hora do Ângelus

Local: Theatro 4 de Stembro

Data: segunda à sexta durante o mês de Junho

Horário: 18 horas

 

Instagram dos citados:

@coletivopiauhy

@silmarasilvapi

 

Comentar